Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Doenças Psicossomáticas: Quando o Corpo Fala Através da Dor

Psicologia
Doenças Psicossomáticas

Doenças Psicossomáticas: Quando o Corpo Fala Através da Dor

Saiba o que são Doenças Psicossomáticas

 

As doenças psicossomáticas, ou somatização, é quando manifestamos sintomas físicos de conflitos emocionais. Mais comum do que se imagina, ela pode aparecer em forma de problemas estomacais, diarreia, prisão de ventre, falta de ar, tensões musculares, baixa na imunidade (recorrência de gripes e resfriados, bem como aquisição de doenças infecciosas), impotência sexual, entre muitos outros sinais.

O termo psicossomático foi utilizado pela primeira vez em meados do século XIX, do grego psico (mente) e soma (alma/corpo), criado pelo físico alemão Heinroth. Embora tenha surgido junto com a psicanálise, atualmente todas as linhas da psicologia reconhecem sua importância.

As doenças psicossomáticas costumam aparecer em pessoas que não têm facilidade em entrar em contato com as emoções. Existe até um nome para tal característica, a alexitimia. O alexitímico confunde as sensações físicas com as sensações emocionais, por exemplo queixando-se de dor de cabeça numa situação de estresse intenso, muitas vezes sem nem relacionar as duas coisas.

Tratamento

Para um tratamento eficaz da doenças psicossomáticas é necessária uma equipe multidisciplinar onde a psicologia desempenha um importante papel. O autoconhecimento proporcionado pela psicoterapia auxilia na prevenção dos sintomas e ajuda a pessoa a identificar e diferenciar seus pensamentos e sentimentos.

Doenças Psicossomáticas

É importante lembrar que, se o fator psicológico não é a causa de determinada doença, é consequência. O ser humano é um sujeito bio-psico-social, ou seja, deve ser considerado em sua totalidade quando se trata de saúde. Mesmo as doenças de origem biológica têm um efeito psicológico, que pode se manifestar em forma de estresse, depressão, ansiedade, etc. Quando não tratados, tais sintomas podem agravar o quadro ou impedir o tratamento adequado (por exemplo, quando a ansiedade ao se deparar com a doença faz com que a pessoa evite realizar o acompanhamento médico para evitar temporariamente a sensação desagradável).

Sendo assim, cada vez mais a psicologia se firma como ramo de conhecimento indispensável à saúde humana, dialogando com as demais ciências e permeando todos os níveis de bem estar. Não deixe de consultar um psicólogo!