Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Os efeitos do Stress nos pacientes Oncológicos

Pacientes com câncer

Os efeitos do Stress nos pacientes Oncológicos

As doenças que ameaçam a vida, como o câncer, geram situações especiais de stress para os pacientes e seus familiares. O câncer é uma doença muito temida, porque a maioria das pessoas sabe do sofrimento que ela pode desencadear.

Por outro lado, com o avanço de novos tratamentos que resultam em prognósticos positivos e aumentam as expectativas de sobrevivência, cresceu também, a necessidade de apoio psicossocial visando restaurar ou manter a qualidade de vida destes pacientes e de seus familiares.

Desta forma, se faz necessário concentrar a atenção aos recursos disponíveis para capacitar os pacientes e seus familiares no enfrentamento da doença, especialmente em relação ao stress. O diagnóstico, bem como o seu tratamento criam stress excessivo e contínuo no processo do adoecer para os pacientes e família, mesmo quando o tratamento é bem sucedido, pois a ameaça da recorrência da doença existe e gera ainda mais stress.

O stress é uma reação complexa do organismo, que envolve reações psicológicas, físicas e hormonais, diante de um evento ou estímulo que pode ou não ser ameaçador, de tristeza ou de alegria. Qualquer situação geradora de um estado emocional forte, que leve a quebra do equilíbrio interno do organismo, pode ser considerado um stress (Hans Selye).

As consequências físicas do stress afetam diretamente o sistema imunológico, reduzindo a resistência da pessoa e tornando-a vulnerável ao desenvolvimento de infecções e doenças.

Com a liberação dos hormônios do stress como a adrenalina e o cortisol, ocorre a diminuição da atividade dos linfócitos que combatem as doenças, e com isso doenças que permaneciam adormecidas podem surgir, deixando o paciente com câncer ou seu familiar ainda mais vulnerável.

Alguns sintomas que podem ser considerados como sinalizadores do stress são dores de cabeça e musculares, indigestão, insônia e aumento da sudorese. Estados de irritação, infelicidade, nervosismo, esquecimento e alterações de humor sem motivo aparente, bem como fumar, beber ou comer mais que o habitual.

As consequências psicológicas do stress se apresentam na forma de cansaço mental, dificuldade de concentração, perda de memória imediata, oscilações nos níveis de ansiedade e depressão e alterações no seu estado emocional. Os sintomas físicos e psicológicos devem ser diagnosticados, avaliados e tratados.

Quando a pessoa vivencia estados emocionais positivos, a produção dos hormônios estradiol e a adrenalina caem, beneficiando sua saúde. Porém, em excesso estes hormônios afetam o sistema imunológico diminuindo suas defesas, o que acontece no processo do stress.

Tanto as emoções positivas como as negativas afetam a saúde, o que pode contribuir para a sua preservação, para o surgimento ou agravamento de doenças que já se desenvolveram, como o câncer. O estado emocional interfere no modo de enfrentamento da doença, afetando a autoestima, a motivação e a adesão aos tratamentos necessários.

Portanto, o stress em níveis elevados aumenta significativamente o risco de agravamento do estado clínico do paciente com câncer e de seus familiares. É necessário que este paciente ou familiar aprenda a controlar o stress desencadeado pelo processo do adoecer, é importante relaxar para eliminar o excesso de adrenalina produzida pelo stress, praticar atividades físicas, conquistar equilíbrio emocional e seguir uma dieta saudável para repor as energias que o stress consome. Estas são condutas recomendáveis e necessárias para controlar o nível excessivo de stress e melhorar a qualidade de vida destes pacientes ou de seu familiar.

Dra. Cláudia P.S. Nogueira
Psicóloga – CRP: 06/32758
Centro de Psicologia da Saúde – SPA SOROCABA