Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Aceitando as perdas para viver melhor

Stress - Relaxar e meditar

Aceitando as perdas para viver melhor

A vida é uma sucessão de batalhas. Algumas vencidas, outras perdidas. Quando vencemos nos sentimos felizes e vitoriosos, porém, quando as coisas não saem do jeito que queremos ficamos tristes, desanimados. A realidade é que passar por isso faz parte da vida, estamos sujeitos a perder e a ganhar. O problema é que dificilmente aceitamos as perdas e é neste momento que podem surgir as dificuldades e muitas vezes o aparecimento de doenças físicas e psicológicas.
Não há uma solução mágica para evitar o sofrimento e muito menos uma pílula para a felicidade eterna. Uma opção válida e eficiente é aprender a superar a dor, aceitar, dar-se conta do que perdeu e seguir em frente. Apesar de tudo, sobreviver. Por mais difícil que parece ser esse processo, é muito importante para dar continuidade á vida. Bloquear a dor, esconder o problema embaixo do tapete ou camuflar esses sentimentos pode parecer eficaz enquanto sofremos, como uma solução imediata. Mas o perigo está justamente nisso. Quando não nos dispomos a elaborar a perda, a entrar em contato com as alteraçães que elas promovem, e as vezes exigem, de nós, estamos adiando a dor. Ao fingir que não existe o problema ou ao negá-lo, nos prendemos á falta, e ficamos com o sofrimento para sempre. O que significa isso? Em algum momento da vida esse sofrimento do qual ficamos correndo, se escondento, fugindo, pode vir á tona, só que com uma intensidade maior.
Mas nem todos conseguem enxergar a perda com olhos positivos. Encarar o sofrimento que ela causa é extremamente difícil, porém necessário para a promoção e manutenção da nossa saúde mental. Há aqueles que não se permitem sofrer, o que acaba lhes gerando problemas emocionais, dentre os quais a depressão, demonstrando que muitas vezes, o erro está em acreditar que ao evitar a dor tudo será mais fácil. Ao fugir do sofrimento gerado pela perda, a pessoa acaba sofrendo muito mais e, por muito mais tempo.
Quando passamos por uma perda não vivenciamos somente a tristeza, mas também outros sentimentos como a culpa, o arrependimento, a saudade, remorso, a raiva, etc. Há diferentes formas de lidar com as perdas, uns preferem conversar com um amigo, outros recorrem a remédios ou bebidas e há aqueles que não tem necessidade de falar sobre o ocorrido, mas nem por isso deixam de lidar com os sentimentos. O que importa mesmo é a aceitação e o entendimento da perda a fim de prevenir problemas emocionais no futuro, negá-la não é uma solução saudável.
A cada dia que nos levantamos da cama, acabamos de contabilizar um dia a menos na nossa existência, perdemos ainda com cada escolha que fazemos. Ao longo do dia vivenciamos inúmeras perdas, é claro que nem todas elas geram um processo de luto, mas nem por isso deixamos de nos angustiar, ainda que não tenhamos consciência disso. Ao mesmo tempo, todos os dias temos a oportunidade de repensarmos a nossa vida, os erros e os acertos, os ganhos e as perdas e fazer diferente, enxergar outras possibilidades, aproveitar melhor a experiência de estar vivo.
Todas as perdas são necessárias, pois trazem em si a possibilidade de que venhamos a aprender com elas. Por mais que o luto possa parecer um processo interminável, somos seres capazes de prosseguir, de enfrentar e aceitar a falta do que não mais nos pertence. A saída não está em evitar o sofrimento, negar a perda, mas sim em fortalecer nossos recursos emocionais para enfrentá-los. Muitas vezes, é preciso recorrer a uma ajuda de um profissional, através de abordagens, métodos e técnicas voltadas para dar suporte e auxiliar o indivíduo nesse processo de elaboração.