Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

As Consequências Cardiovasculares do Stress

Coração

As Consequências Cardiovasculares do Stress

O stress é uma reação complexa do organismo que envolve reações psicológicas, físicas e hormonais. Ele faz parte da vida e precisamos dele para reagir em determinadas situações. Quando o stress ultrapassa o limite do controle e afeta a capacidade da pessoa de enfrentar dificuldades cotidianas, poderá ser prejudicial à saúde e as doenças poderão surgir.
Não há dúvidas de que o stress afeta o sistema cardiovascular e que há uma sensibilidade especial deste sistema em relação às emoções vivenciadas pela pessoa durante a vida.
Uma das principais conseqüências do stress ao sistema cardiológico apresenta-se na área vascular com a aterosclerose, que se caracteriza pela diminuição do fluxo sanguíneo nas artérias coronárias. Esta diminuição é causada pelo aumento da produção dos hormônios do stress (noradrenalina e cortisol), com conseqüente redução do nível de oxigenação do miocárdio, o que poderá levar a isquemia e/ou necrose do miocárdio que corresponde a quadros clínicos de angina de peito e enfarte do miocárdio.
No processo do stress há também a liberação de colesterol, o que poderá levar ao “entupimento” das artérias coronarianas desencadeando o infarto do miocárdio.O stress eleva a pressão arterial e os batimentos cardíacos.
O stress emocional poderá ainda provocar a ocorrência de arritmias e/ou morte súbita. Estudos indicam que, de 25 a 50% das pessoas que apresentaram arritmias, como taquicardia e fibrilação ventriculares e até morte súbita, tinham vivenciado situações de stress momentos antes de apresentarem esses sintomas. (Engel 1971; Reich, DeSilva,1981; Myers e Dewan, 1975; Rissanem, Romo, 1978).
O stress, ainda, pode ser o mais significativo risco herdado nas pessoas que desenvolveram doenças cardíacas em idade precoce, segundo o primeiro estudo dessa categoria desenvolvido por especialistas do Hospital Henry Ford (USA). (Fonte: El Médico Interactivo, 2003).
Nenhum outro tema em psicologia da saúde tem gerado tantas pesquisas e estudos quanto a maneira como o stress contribui para o desenvolvimento de doenças. Em situações de stress sempre há a participação do sistema cardiológico. é nele que sentimos uma das reações físicas do nosso organismo ao stress, sob a forma de “palpitações” ou “coração disparado”, além dos fatores psicológicos que podem predispor e precipitar distúrbios cardíacos.
Nós mesmos podemos ser causadores do nosso próprio stress. O modo como interpretamos determinados acontecimentos pode gerar ou até piorar o nosso stress. A avaliação de uma situação como mais desastrosa do que ela realmente é poderá aumentar o nível de stress e afetar o sistema cardiovascular.
Identificar avaliações inadequadas e aprender a avaliar os acontecimentos mais realisticamente faz com que a pessoa diminua o seu nível de stress, contribuindo no desenvolvimento de habilidades para enfrentar obstáculos da vida e poupar o sistema cardiovascular.
Realizar check-up regularmente, aderir a uma dieta saudável para repor as energias que o stress consome, relaxar para eliminar o excesso de adrenalina produzida pelo stress, praticar atividades físicas, conquistar equilíbrio emocional, trocar o “fazer” pelo “sentir a vida” e expressar seus sentimentos são condutas recomendáveis e necessárias para controlar o nível excessivo de stress, conquistar hábitos saudáveis e melhorar sua qualidade de vida.