Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Esclerose Múltipla

Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla
Esclerose Múltipla

Esclerose Múltipla

Esclerose Múltipla

Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica crônica do sistema nervoso central, que se caracteriza por inflamação e destruição da mielina em indivíduos com predisposição genética. A mielina pode ser comparada a uma capa de revestimento dos fios de condução dos nossos impulsos nervosos, e é responsável pela alta velocidade de condução desses impulsos. É por isso que a esclerose múltipla é considerada uma doença desmielinizante (bainha de mielina dos neurônios é danificada), e a lesão da mielina ao comprometer a condução dos impulsos nervosos, pode afetar diversas funções.

Os sintomas variam de paciente para paciente, dependendo da área afetada do cérebro, e os mais frequentes são: perda súbita da visão ou visão dupla, formigamento, dormência ou perda da força em braços e pernas, desequilíbrio, fadiga, e movimentos incoordenados e/ou involuntários.

Esclerose Múltipla

 

É uma doença autoimune: o sistema imunológico ataca estruturas do organismo que deveria, em condições normais, defender. A EM afeta adultos, jovens, principalmente mulheres entre 20 e 45 anos. Os homens também são afetados, embora com menor frequência. É importante salientar que não é possível estabelecer em determinado paciente como será a evolução da doença, porém uma frequência menor de surtos no início com predomínio de sintomas sensoriais e visuais, parece estar associada uma evolução mais favorável.

O diagnóstico da EM é baseado em uma ampla investigação do histórico do paciente e no exame neurológico. Havendo a suspeita, passamos para a realização de exames que nos auxiliam no diagnostico: ressonância magnética do crânio, potencial evocado multimodal e a punção lombar.

É importante que o portador de EM saiba que compreendendo sua doença e o tratamento ficará mais fácil ter uma vida normal, sem restrições e preocupações. Para obter respostas às suas dúvidas tenha sempre como parceiro um neurologista especializado no diagnóstico e tratamento da EM.

A prática regular de exercícios físicos para pessoas com EM pode proporcionar melhora da coordenação motora, flexibilidade, equilíbrio, redução do sedentarismo, evitar a depressão, entre outros fatores. Ao prescrever um exercício físico para um paciente com EM, devemos considerar a individualidade e o quadro clínico do aluno, por isso é fundamental o diálogo entre os profissionais.