Select Your Style

Choose your layout

Color scheme

Cirurgia Plástica, saiba qual o papel da fisioterapia no Pós-operatório

O papel da fisioterapia no Pós-operatório de cirurgia plástica estética

Cirurgia Plástica, saiba qual o papel da fisioterapia no Pós-operatório

O papel da fisioterapia no Pós-operatório de cirurgia plástica estética

Nos dias atuais é muito comum nos depararmos com a busca pelo corpo magro e jovem, padrões estes muitas vezes impostos pela própria sociedade. Porém não podemos nos esquecer que a cirurgia plástica estética tem como objetivo o reparo tecidual.

Como exemplo podemos citar a abdominoplastia pós-bariátrica ou até mesmo pós-gestação onde o músculo reto abdominal perde sua integridade gerando assim diástase que pode levar a quadros mais sérios como uma hérnia.

O Brasil está classificado como o segundo no mundo, em número de cirurgias plásticas. O motivo que leva os indivíduos a passarem por estas mudanças estão intimamente ligadas à mídia que propõe um padrão de beleza.

 

Lesões nas cirurgias plásticas

 

Durante a cirurgia plástica ocorrem lesões, além de traumas mecânicos nos tecidos envolvidos e é isso que justifica a importância da fisioterapia no pós-operatório. Uma vez que a mesma, através das técnicas manuais e recursos eletrofototérmico-terápicos, irão devolver a flexibilidade e mobilidade, irá prevenir e tratar complicações que podem ocorrer durante o processo de reparo tecidual e recuperação desse paciente.

As complicações podem ocorrer em qualquer cirurgia, porém quando falamos de cirurgia plástica estética, onde o paciente não apresenta enfermidade prévia, essas complicações tem uma redução significativa, mas podem acontecer e as mais comuns seriam: edema, fibrose, equimose, hematoma e deiscência. Logo a fisioterapia vem ganhando mais espaço e sendo mais recomendada pelos cirurgiões plásticos, principalmente no período pós-operatório.

O papel da fisioterapia no Pós-operatório de cirurgia plástica estética 2

Tratamentos utilizados pelo fisioterapeuta

 

Através de mobilização manual em forma de tensão no tecido em cicatrização ocorre uma organização dos feixes de colágeno de uma maneira mais natural e com mais elasticidade do que quando não há essa tensão, sendo essa técnica muito indicada para fibroses e aderências, uma vez q o colágeno se deposita de forma desorganizada, essa manipulação, feita em todos os sentidos, reorganizará esses feixes de colágeno.

O planejamento do tratamento fisioterapêutico durante o pós-operatório vai variar e depender de características do paciente apresentada durante a avaliação.